Desperta seu sorriso saudável

Cabelos ao vento, flexões, sentir um aroma aconchegante percorrendo a casa e a energia no ar… o que conecta essas ações aos sentimentos? A serotonina correndo nas veias… 



Quer entender melhor? A gente explica aqui no texto! 



No mês do Setembro Amarelo, em que se reforça a valorização da vida, lembramos também que limpar a mente e fazer atividades que te trazem a sensação de felicidade  são essenciais para manter o “mens sana in corpore sano” – em tradução livre do latim, mente sã, corpo são. Isso porque momentos de lazer e atividades prazerosas ajudam a liberar serotonina – o famoso hormônio da felicidade – na corrente sanguínea. Com isso, conheça alguns hábitos de pessoas da nossa organização para manter a saúde mental em dia. 



O nosso Head de Vendas, João Leite, não só transpira no ritmo das vendas, não! Ele usa a malhação para poder cuidar do corpo e da mente. Malhar tem sido a sua válvula de escape para o stress. Entre halteres e flexões é assim que ele deixa o cansaço de lado e movimenta o corpo para ter disposição para vender!



Já Sávio Lins, nosso Head de Operações, prefere usar sua moto para oxigenar a mente! Acordar bem cedo num dia ensolarado em pleno final de semana, e sair sem destino sobre duas rodas é seu hobby preferido! Como ele mesmo diz “Para que ficar parado, se podemos estar em pleno movimento?”



E falando em energia… Tem a turma das Orações por aqui, seja usando uma japamala*ou um terço! As meninas do Marketing acreditam que orar costuma fazer bem. E é assim que agem para manter a vida equilibrada e a capacidade criativa em alta. 



Às vezes jantares, às vezes almoços, mas o que Breno Neves, nosso CEO, gosta de fazer na cozinha é a Hamburgada do chefe. Ele gosta de cozinhar e, vez ou outra, cozinha para a turma toda na Clin. Não é todo mundo que tem um “chefe” chef, né?!



A sugestão que damos é que encontre o que te faz relaxar e reconectar com você. Cuide de sua mente, cuide do seu corpo, cuide de você. Faça mais o que te faz sorrir! 



*Japamala é um cordão sagrado feito de contas, usado para ajudar o praticante de meditação a entrar no estado meditativo.
…

Entre motocicletas, halteres, cozinhas e orações

Cabelos ao vento, flexões, sentir um aroma aconchegante percorrendo a casa e a energia no ar… o que conecta essas ações aos sentimentos? A serotonina correndo nas veias…  Quer entender melhor? A gente explica aqui no texto!  No mês do Setembro Amarelo, em que se reforça a valorização da vida, lembramos também…

Saiba mais
Imagina a situação: você em casa, trabalhando e, de repente, naquela checada básica nas redes sociais, pêi… Temos a confusão do dia: uma grande fintech gerindo uma crise imensa por deixar vazar dados dos clientes. Foi um auê. Tome comentário negativo, medo, insegurança e tudo que o assunto gera. A companhia identificou a falha, corrigiu, mas precisou se explicar muito. E é para contar um pouco mais sobre como funciona a segurança aqui, na Clin, a gente resolveu vir aqui te contar como os seus dados são protegidos na nossa Clin.



O nosso banco de dados é um dos mais seguros do mundo, usado por grandes empresas e multinacionais. Além disso, ele fica armazenado na nuvem, sob proteção de firewall. “Existe uma política muito rigorosa de onde essas informações são armazenadas aqui na Clin. O acesso a elas é cheio de autenticações e critérios que protegem os ambientes onde elas estão. Não dá pra detalhar aqui no blog tudo exatamente como funciona, até por uma questão de segurança mesmo, mas o que a gente pode garantir é que temos um time fera que cuida dos dados dos nossos clientes, monitorando tudo 24 horas”, explica nosso diretor de TI, José Magalhães Neto. O diretor destaca ainda que “em todos os nossos sites e software publicados, a empresa usa certificado pra criptografar os dados que trafegam da máquina do usuário, até os nossos servidores. Se você observar, vai ver que em todos os nossos sites tem o desenho de um cadeadozinho, lá em cima da página. Esse cadeado atesta que você está navegando em um ambiente seguro”, completa.  Neto falou em criptografia e você já deve ter ouvido falar, até porque se você usa o whatsapp já leu a mensagem que diz que suas conversas são criptografadas de ponta a ponta, exatamente pra evitar que sejam grampeadas e decifradas. E o que danado é ‘criptografia’? Vou chamar os universitários pra te explicar. No caso vai ser o professor dos universitários, tá? Porque somos chiques e nosso diretor de TI é teacher também. “Criptografia é transformar as mensagens digitadas em frases/códigos. Por exemplo: você digita sua senha e ela é imediatamente transformada em uma frase que nem de longe se parece com o que você digitou. Então pra você aparece a senha correta, mas logo que digitadas ela já se transforma praticamente num hieróglifo de tanto que é modificada”, compara Neto.  



Como somos um plano odonto digital, quase todas as nossas operações são realizadas remotamente, sempre usando o ClinApp ou site. Nesse caso, uma preocupação é bem constante entre os usuários das nossas plataformas: e os dados do meu cartão de crédito, é seguro informar? A resposta é sim. O número do seu cartão não fica armazenado ali onde você digitou, nem mesmo no nosso sistema; fica em um banco de dados homologado mundialmente, utilizado por grandes corporações. Ou seja, é uma operação cheia de critérios e todo o cuidado que você precisa pra saber que suas informações estão protegidas.



Além disso, você já deve ter…

Investir em segurança tecnológica também é cuidar da sua saúde

Imagina a situação: você em casa, trabalhando e, de repente, naquela checada básica nas redes sociais, pêi… Temos a confusão do dia: uma grande fintech gerindo uma crise imensa por deixar vazar dados dos clientes. Foi um auê. Tome comentário negativo, medo, insegurança e tudo que o assunto gera. A…

Saiba mais
Se você ouve: “estamos fazendo uma transformação digital na nossa empresa”, qual a primeira coisa que vem a sua cabeça? Possivelmente você imagina que equipamentos ultra-modernos estão chegando, softwares de última geração e todo um aparato tecnológico vai desembarcar na organização. É, pode até ter isso tudo sim, mas são as pessoas e a forma que elas conduzem os negócios que vão permitir essa transformação e disseminar, ou não,  uma cultura digital na sua companhia.



“Como eu sempre falo, inovação é mudança de atitude. E as atitudes são tomadas por pessoas. Máquinas são produzidas e operadas por pessoas. Ou seja, não importa o quão moderno é o parque tecnológico de uma empresa, é o time e a maneira que tudo é conduzido, que determina, ou não, o sucesso da operação. Dito assim parece até meio óbvio, e é. Mas acredite: ainda não é tão fácil conscientizar alguns líderes a esse respeito”, explica Breno Neves, CEO da Clin.



Essa tal de mudança de atitude é uma das características principais de uma organização com cultura digital bem disseminada. Uma matéria publicada na revista Exame (link abaixo) listou os pilares de uma companhia moderna, ágil e com a cabeça conectada à mudança, sempre. De acordo com a publicação  as empresas com cultura digital são:



• menos hierárquicas• mais colaborativas e multifuncionais• mais abertas à experimentação e a aprendizagem• mais arrojadas e com maior tolerância ao risco• mais rápidas em reagir às necessidades do mercado



         Viu? É muito mais sobre pessoas e atitudes, do que sobre fibras ópticas e máquinas de ponta. Aqui na Clin a gente entendeu isso faz tempo. São 23 anos pensando à frente, antevendo tendências e modelos de negócios. Exatamente por isso a pandemia, por mais que tenha sido uma desagradável surpresa, não abalou tanto a nossa operação como fez com milhares de outras, infelizmente. “A gente sentiu a mudança sim. Lógico, ninguém fica tranquilo diante de algo que mexeu com a economia e a maneira de se relacionar do mundo todo. Mas é nessa hora que a nossa dedicação diária às pessoas, faz toda a diferença. Nos reinventamos mais uma vez e crescemos em meio a crise. A gente estava preparado, sem nem saber. Aliás, a gente já sabia que o futuro seria digital e que uma equipe engajada é fundamental para o sucesso do negócio”, relata o CEO.



Humanização e gestão da felicidade. Cada vez mais são essas duas máximas que têm guiado o nosso negócio. ” A ideia é sempre valorizar esse contato mais humano, a leveza e descontração do ambiente. Por exemplo: tem coisa que deixe a pessoa mais tensa que entrevista de emprego?! Acho que só prova escolar! As nossas entrevistas aqui são papos de carreira. De maneira bem informal, trazemos o cenário da vaga e entendemos o momento profissional da pessoa para checar se dá match! Tem que ser um bom desafio para ambos os lados. Isso é cultura digital”, enfatiza Vannessa Souza, head de Cultura Organizacional da Clin.Somos uma Health Tech, cuidamos da saúde física e mental…

Sabia que ‘Cultura Digital’ é muito mais sobre pessoas que de máquinas?

Se você ouve: “estamos fazendo uma transformação digital na nossa empresa”, qual a primeira coisa que vem a sua cabeça? Possivelmente você imagina que equipamentos ultra-modernos estão chegando, softwares de última geração e todo um aparato tecnológico vai desembarcar na organização. É, pode até ter isso tudo sim, mas são…

Saiba mais
Confira abaixo a reflexão da nossa Head de Cultura Organizacional sobre o que é Cultura e como as ações corporativas podem ser assimiladas individualmente:



Gosto da definição de Cultura, trazida pelo Sebastião Vila Nova, que estudei em Introdução à Sociologia, na minha época de CCSA, na UFPE: “é tudo que resulta da criação humana”. Assim sendo, mesmo a transformação digital, ela é uma transformação cultural. 



Uma transformação de gente feita por gente é cultura! A origem da palavra, vem do latim: 



Culturae: ação de tratar; cultivar;



Colere: ato, arte, modo de cultivar; conjunto e ações necessárias para que a terra produza.



E que bela metáfora pensar em Cultura como a arte de cultivar… Imagine o lançar a semente, o regar, o germinar, cuidar para ver crescer, dar frutos e depois novas sementes. Enquanto isso, as raízes vão fazendo a base se tornar firme para sustentar as mudanças de estações, as adversidades que a planta passará.



E na prática, como perceber se há alinhamento entre as pessoas de uma organização e a Cultura dela, para que seu tronco e galhos sejam fortes e vigorosos?  Deixo a dica de tipologia de modos de adaptação individual, do livro acima mencionado:



Conformidade: Há uma aceitação das metas culturais e dos meios institucionalizados. 



Podemos dizer que a pessoa tem alinhamento cultural ou fit cultural (modo mais chique de falar, né?!). Mas o mais importante: ela faz daquele jeito, entendendo a importância daquilo que está sendo feito!



 Inovação: Há aceitação das metas culturais, mas rejeição dos meios institucionalizados.



A pessoa busca fazer diferente. Numa estrutura organizacional em que há abertura para o novo, isso pode ser bem-vindo e alimentar fortemente a melhoria contínua. Em ambientes mais tradicionais, pode ser um choque não seguir o padrão definido.



 Ritualismo: Há rejeição das metas culturais, mas aceitação dos meios institucionalizados.



Fique alerta! É aquele típico cenário do fazer, “porque disseram que era para ser feito dessa forma”, mas não se tem a compreensão da importância do que está sendo feito. Necessário chamar para conversar e alinhar o entendimento sobre o objetivo das ações.



Retraimento: não aceitação das metas culturais nem dos meios institucionalizados. 



É aquela típica pessoa que faz porque alguém está vendo ou pedindo para fazer. No dia que alguém deixa de cobrar, ela deixa de fazer, porque para ela tanto faz! Precisa de atenção do líder: ou não se sente parte do time ou requer ajuste cultural para entender o cenário ou a melhor saída é o rompimento da relação. 



 Rebeldia: insatisfação ou discordância radical quanto às metas culturais e aos meios institucionalizados. Pode ser positiva ou negativa. 



Pode ocorrer algo similar à inovação. Quando a cultura da empresa é aberta à experimentação, propostas de novas metas e novos meios podem ser aceitos e incrementados à cultura atual. Mas se a rebeldia for só o não aceitar por não aceitar, sem trazer solução e sugestão. Match point! Resolve o caso, porque gente agindo assim, não há quem queira ter por perto. Ou será que tem cultura que aceita ?! 



Talvez seja melhor separar o joio do trigo e cortar o mal pela raiz.  



#repensetudo #familiaclin…

Cultura é tudo que resulta da criação humana

Confira abaixo a reflexão da nossa Head de Cultura Organizacional sobre o que é Cultura e como as ações corporativas podem ser assimiladas individualmente: Gosto da definição de Cultura, trazida pelo Sebastião Vila Nova, que estudei em Introdução à Sociologia, na minha época de CCSA, na UFPE: “é tudo que resulta…

Saiba mais